Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Andy Warhol - Parte 1

por ornitorrincoquantico, em 05.05.09

E começa aqui nossa aventura no mundo da arte através de leitura de textos produzidos por diversos artistas. Pela leitura de alguns textos selecionados iremos descobrir um pouco da vida deles e da riqueza escondida nos seus trabalhos.

 

E para começar...

 


Andy Warhol

 

Pequeno histórico sobre sua vida:

Andy Warhol
(Artista norte-americano)
6-8-1928, Pittsburgh, EUA
22-2-1987, Nova York, EUA

De acordo com o site Biografias, Andrew Warhol é o artista mais conhecido da pop art e um dos mais polifacetados desse movimento. Depois de estudar desenho, trabalhou como desenhista publicitário em Nova York. No final dos anos de 1950, já utilizava em suas obras motivos oriundos da publicidade, empregando tintas acrílicas.

 

E fez muito mais coisas. Mas isso deixaremos para depois. Primeiro vamos à primeira imagem que selecionei para análise.

 

 

Blue Liz as Cleopatra
1963
silkscreen ink and acrylic paint on canvas
82 x 65 in.
Courtesy The Daros Collection

Clique na imagem para visualizá-la melhor

 

Olhe com bastante atenção essa imagem. Demore o tempo que for necessário para tentar perceber o que está nela e o que grita aos seus olhos.

 

Vamos tentar descrever?

 

Pois bem, aparentemente vemos várias reproduções de uma mesma fotografia. E essa fotografia representa uma mulher.

 

Uma mulher qualquer? Não! Ela usa um cabelo característico de uma época. O cabelo dela serve então como guia para a gente determinar o tempo e o lugar representado. No caso, é uma mulher egípcia, pois até o título entrega essa informação. É uma representação da rainha egípcia Cleópatra. Mas existe uma outra informação no título, não é apenas uma representação qualquer da rainha Cleópatra, é a atriz Liz Taylor encarnando a rainha egípcia.

 

Vamos parar agora para fazer uma pequena pesquisa para tentar descobrir quem é a Cleópatra e quem é Liz Taylor. Vamos ver o que a Wikipedia nos diz:

 

Cleópatra VII Thea Filopator ([...] Janeiro de 70 a.C. ou Dezembro de 69 a.C. - 12 de Agosto? de 30 a.C.) foi a última rainha da dinastia de Ptolomeu, general que governou o Egito após a conquista daquele país pelo rei Alexandre III da Macedônia. Era filha de Ptolomeu XII e de Cleópatra V. O nome Cleópatra significa "glória do pai", Thea significa "deusa" e Filopator "amada por seu pai".

É uma das mulheres mais conhecidas da história da humanidade e um dos governantes mais famosos do Egito, tendo ficado conhecida somente como Cleópatra – ainda que tenham existido várias outras Cleópatras além dela e que a história quase não cita. Nunca foi a detentora única do poder em sua terra natal - de facto co-governou sempre com um homem ao seu lado: o seu pai, o seu irmão (com quem casaria mais tarde) e, depois, com o seu filho. Contudo, em todos estes casos, os seus companheiros eram apenas reis titularmente, mantendo ela a autoridade de facto.

 

Elizabeth "Liz" Rosemond Taylor (Londres, 27 de fevereiro de 1932) é uma atriz anglo-americana. Filha de pais estadunidenses, mudou-se para os Estados Unidos em 1939.

[...]

Liz, como é mais conhecida, é reverenciada como uma das mulheres mais bonitas de todos os tempos; a marca registrada são os traços delicados e olhos de cor azul-violeta, emoldurados por sobrancelhas espessas de cor negra. Celebridade cercada por intenso glamour e diva eterna dos anos de ouro do cinema norte-americano, é uma compulsiva colecionadora de jóias [...].

 

E algumas informações importantes sobre o filme, de acordo com o site Adoro Cinema:

 

O diretor Joseph L. Mankiewicz (A Condessa Descalça) leva às telas a história da ascensão e declínio de Cleópatra, rainha do Egito. Com Elizabeth Taylor, Richard Burton, Rex Harrison e Martin Landau. Vencedor de 4 Oscars.

Cleópatra é o filme mais caro de todos os tempos. Na época de sua realização sua produção custou US$ 44 milhões. Se esta quantia fosse reajustada até em relação ao dólar em 1999, o filme custaria na verdade US$ 270 milhões.
É popularmente considerado um dos maiores fracassos comerciais de todos os tempos, apesar desta afirmação não ser verídica. Apesar de seu alto orçamento o filme conseguiu recuperar o dinheiro nele investido, vários anos após seu lançamento, sendo ainda uma das maiores bilheterias da década de 60.

Elizabeth Taylor foi o 1ª intérprete de Hollywood a receber US$ 1 milhão por um único filme, por sua participação em Cleópatra.

 

Pois bem, voltemos ao quadro de Warhol.

 

Mesmo que não soubéssemos o título da obra, já seria possível ao menos reconhecer que a mulher representada é Cleópatra, pois ela se assemelha com a imagem clássica que temos dela (e que você pode conferir acima nas informações sobre Cleópatra).

 

O que mais percebemos na imagem? As reproduções da Liz estão em preto num papel azul claro. Esse tipo de azul é conhecido nas artes gráficas como ciano. Com ciano, combinado com o magenta e o amarelo, é possível reproduzir todas as cores que conhecemos. É com essa combinação de cores, somado ao preto, é que se consegue a impressão de imagens em papel, tanto na indústria gráfica quanto na sua impressora.

E como Warhol pintou o quadro? Foi com a técnica que ele mais utilizava: a serigrafia.

 

Serigrafia ou silk-screen é um processo de impressão no qual a tinta é vazada – pela pressão de um rodo ou puxador – através de uma tela preparada. A tela, normalmente de seda, náilon ou poliéster, é esticada em um bastidor de madeira, alumínio ou aço. A "gravação" da tela se dá pelo processo de fotosensibilidade, onde a matriz preparada com uma emulsão fotosensível é colocada sobre um fotolito, sendo este conjunto matriz+fotolito colocados por sua vez sobre uma mesa de luz. Os pontos escuros do fotolito correspondem aos locais que ficarão vazados na tela, permitindo a passagem da tinta pela trama do tecido, e os pontos claros (onde a luz passará pelo fotolito atingindo a emulsão) são impermeabilizados pelo endurecimento da emulsão fotosensível que foi exposta a luz.

 

Você provavelmente deve saber o que é o Silk-screen, é aquele mesmo processo que usam para fazer uma imagem em camisetas.

 

Warhol gostava de usar essa técnica porque ela se aproximava do método industrial. Com uma mesma matriz, ele reproduzia uma mesma imagem várias vezes. Ele começou com esse estilo em 1961, usando imagens de produtos conhecidos e industrializados, como a coca-cola e a sopa Campbell's.

 

Em 1963 ele inaugurou um ateliê chamado The Factory (A fábrica). Lá, ele começou a fazer obras seriadas para venda e passou a usar como temas pessoas muito conhecidas e famosas no mundo todo. Muitas dessas pessoas eram artistas do cinema e TV e eram amigas dele, frequentando, juntamente com outras pessoas e artistas (em sua maioria pessoas consideradas desajustadas pela sociedade, por serem homossexuais, travestis, drogados, bêbados e fumantes, entre outros), A fábrica de Warhol com frequência.

 

E entre as várias telas que Warhol produziu em 1963, está Blue Liz as Cleopatra.

 

Esse foi nosso primeiro contato com o trabalho de Warhol. Na próxima semana darei continuidade a análise de Blue Liz as Cleopatra. Enquanto isso e levando em consideração o que foi levantado nessa análise até agora, volte ao quadro e tente ler o que está escrito. Existe alguma coisa sendo dita? As fotos de Liz foram feitas com a mesma matriz e deveriam ser iguais. Mas são iguais? Existe alguma relação entre o fato de Warhol iniciar seu estilo de pintura com produtos industrializados e a seguir mudar para pessoas públicas, como a Liz? Preste bastante atenção no que é representado na imagem, isso será importante para você conseguir fazer sua própria análise.

 

 

Olhe nos olhos de Liz.... Será que eles dizem alguma coisa pra você?

 

Até mais!

 

Referência:

O portal da História - Biografia: Andy Warhol. Disponível em: <http://www.arqnet.pt/portal/biografias/warhol.html>. Acesso em 03 mai 2009.

 

PS: Se você encontrar algum erro no meu texto, por favor me avise.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:14



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.