Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Pomarolla - Capítulo 1

por ornitorrincoquantico, em 30.01.07

Capítulo 1 – Adorável Pecadora

- …mas o que eu faço depois, Nádya?

- Nada...

- Como assim nada? Você me bota nessa enrascada, acaba com minha vida, com o meu futuro, e continua assim, indiferente?

- Olha aqui minha filha, eu não te botei em enrascada nenhuma. Você conhecia o perigo e sabia muito bem o que estava fazendo.

- Eu já não existo mais, eu, eu...

- Você morreu a partir do momento que botou os pés lá, ou melhor, quando você me procurou.

- Mas não é certo! Como pode? Eu virei um monstro, olha pra mim! E você? Você tá aí, bonitona, cherosona, como queria, como sonhava!

- É a justiça da vida! Você se tornou essa coisa porque essa coisa já existia dentro de você. Conforme-se, minha querida, você já era esse monstro.

- Não!!!

- Não grite, sua imbecil, vai acordar a menina. Não tem nada que a gente possa fazer agora. Conforme-se, essa será sua vida a partir de agora. Não chore, pára! Olha pelo lado bom, quantas coisas você poderá fazer agora. E tem a menina, você é mãe agora.

- Eu não sou mãe dessa criatura!

- É sim! E vai cuidar dela, sim, porque você não é burra! Faça qualquer mal à essa criança e eu te acabo, te acabo antes de você virar pó!

- Ai que raiva! Que raiva!!!

- Não reclame, não reclame! Quando a amargura aparecer olhe para a sua perna.

- Foi só o que me sobrou.

- Veja! É o Vale do Silício. Já estamos chegando.

- Chegando onde? Eu não tenho mais casa. Nunca tive casa, essa é a verdade.

- Mas agora vai ter, olha que beleza! Já mandei arrumarem a catacumba para você. Já mobiliaram, arrumaram frascos, prateleiras, tudo o que você vai precisar a partir de agora. Tem até um caldeirão...

- Eu não me conformo! Eu não posso me conformar em ter que passar o resto dos meus dias como uma... uma bruxa!

- Vai sim, vai ser bruxa sim! Toda a cidade já foi avisada que uma famosa bruxa vinda do reino do Acetileno Encantado está chegando. Existem cartazes por todos os lugares. "Venham conhecer a D. Coisa! A maior feiticeira de toda Prosopopéia! Ligue e agende sua consulta! D. Coisa pede para não confundi-la com outras...

- Já é humilhação demais, eu não vou me chamar Coisa, isso não é nome de um enlatado.

- Minha querida, você não é mais um enlatado, esqueceu? E o nome é o melhor que "você" poderia ter depois de tudo... Estamos entendidas? Olha para mim! Olha, indecente, e me diz... me diz que vai fazer tudo o que combinamos...

- ...vvo..ooou...

- Ainda bem, e qual é o seu nome, vamos...

- ...é..ccoo..

- ...vamos!!!

- Coisa, Coisa...

- Isso mesmo! Espero que não se esqueça. Sua vida será outra daqui para frente.

- E você?

- E eu? Ai, ai, vou me preparar para ser rainha. Se meu sogrinho ajudar eu serei rainha ainda hoje. Quem diria, olha para mim! Olhe como sou linda! Como estou linda! Eu sou a princesa herdeira, casada com o "doce e bondoso" Orlando, o queridinho do rei, o mais amado, o mais venerado, o mais bondoso e amigo de todos... Em toda a cidade, em todos os feudos, vilas, vilarejos, em todos os lugares, até em Bonanza, nós somos notícia. O casal perfeito, os jovens herdeiros que conduzirão toda Prosopopéia à glória. E teremos poder, como é linda essa palavra, poder...

- E se a rainha não quiser abdicar?

- Como não? Aquela velha tá caindo aos pedaços, é um monte de tomate podre. Ela não tem querer. Nada vai impedir a minha glória, nada! Imagina só a cara de todo mundo, principalmente a daqueles idiotas que diziam que eu não possuía o sangue nobre, quando eles me verem... Vai ser um susto só, até o Orlando vai cair para traz. Eu agora tenho sangue de tomate, puro e legítimo sangue de tomate. Estou preparada, prontinha para me tornar uma legítima Roosevelt.

- E como você vai explicar? Vão perguntar...

- Plástica, dinheiro, avanço científico, não importa o que eu vou dizer ou que vão perguntar. Que se danem. O que eu queria, eu consegui...

- Não sei não, eu se fosse você não cantava vitória antes da hora.

- Canto, canto sim, e cantarei quantas vezes for preciso. Chegou a minha hora, meu bem. Eu vou brilhar e o meu brilho vai cegar a muitos. Eu mereço... E nada pode dar errado, eu paguei um preço muito alto para chegar até aqui. Você sabe, eu e Orlando... tudo o que aconteceu com a gente, eu poderia ser uma rainha legítima hoje, você sabe, mas eu... eu amo meu lindo, muito... e nas histórias, o amor sempre vence, não?

- Não sei não...

- Cala essa sua boca agourenta, infeliz. E eu lá quero saber o que você acha? Me faz um favor? Mantenha essa boca fechada e fecha esse olho que ainda pode fechar e vê se me esquece.

Imbecil... pois saiba que eu tenho um pressentimento de que algo muito ruim vai lhe acontecer. Agora mesmo, enquanto cochilava, tive uma visão estranha, e me pareceu que você e o Orlando estavam separados. Algo de terrível lhe espera em Prosopopéia...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:28



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.